Ingestão proteica antes de dormir: potencial para otimizar a recuperação pós-exercício

Ingestão proteica antes de dormir: potencial para otimizar a recuperação pós-exercício

Resenha realizada pelo Prof. Dr. Giulliano Gardenghi, sobre o artigo publicado no site do Gatorade Sports Science Institute, por Luc J.C. van Loon; Professor of Physiology of Exercise and Head of the M3-research Unit, Maastricht University.

A proteína dietética desempenha um papel central na facilitação da resposta adaptativa do músculo esquelético ao treino de exercícios. Uma única sessão de exercícios estimula a síntese de proteína muscular e, em menor extensão, quebra de proteína muscular. No entanto, o equilíbrio protéico pós-exercício permanecerá negativo na ausência da ingestão alimentar. A ingestão da proteína dietética estimula a síntese de proteína muscular esquelética, inibe a quebra de proteínas, e portanto estimula o acúmulo de proteína muscular tanto após exercícios de força, quanto após exercícios de resistência. Isso promove o aumento da resposta adaptativa do músculo esquelético para cada sessão sucessiva de exercícios e pode resultar em recondicionamento mais eficiente do músculo esquelético.
Vários estudos relataram melhor equilíbrio protéico pós-exercícios e/ou maiores taxas de síntese de proteína muscular após a ingestão de diferentes fontes de proteína, inclusive a proteína do soro do leite e a caseína, proteína da soja, hidrolisão de caseína, proteína do ovo e leite integral e/ ou leite desnatado. A proteína do leite e seus principais componentes isolados, o soro do leite e a caseína, oferecem uma vantagem anabólica (construção dos músculos) comparada à proteína da soja. Além disso, a proteína do soro do leite parece induzir um aumento da resposta de síntese da proteína muscular quando comparado à caseína.
Além da quantidade e da fonte da proteína ingerida durante a recuperação aguda pós-exercícios, o momento da ingestão protéica foi identificado como principal fator modulando o anabolismo da proteína muscular pós-exercícios. Uma oferta direta de proteína dietética após o término dos exercícios mostrou resultar em um equilíbrio protéico mais positivo, quando comparado à proteína oferecida muitas horas após o exercício. Além disso, estudos recentes sugerem que a co-ingestão de carboidratos (CHO) e proteína antes de e/ou durante exercícios pode aumentar ainda mais o acúmulo de proteína muscular pós-exercício.
Em resumo, a ingestão de proteína dietética imediatamente após o exercício aumenta as taxas de síntese de proteína muscular pós-exercício, assim facilitando a resposta adaptativa do músculo esquelético a exercícios prolongados. A proteína ingerida antes de dormir é efetivamente digerida e absorvida durante a noite, assim aumentando a disponibilidade de aminoácidos plasmáticos e estimulando a produção de proteína muscular pós-exercício após uma noite de sono. Consequentemente, a ingestão de proteína dietética antes de dormir pode representar uma estratégia dietética efetiva para inibir a quebra de proteína muscular, estimular a síntese de proteína muscular, facilitar a resposta adaptativa do músculo esquelético aos exercícios e melhorar a efetividade dos exercícios.

Maiores informações sobre o assunto acima podem ser obtidas no link abaixo:
Fonte: www.gssiweb.org

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *